quarta-feira, 29 de abril de 2009

Poesia

Apenas muito recentemente tomei conhecimento da poesia de Wislawa Szymborska. Essa polonesa, nascida em 1923, tem sua instigante poesia marcada pela concretude e, por assim dizer, voltada ao cotidiano, segundo a crítica literária. Gostaria de tê-la descoberto antes.



AS TRÊS PALAVRAS MAIS ESTRANHAS


Quando pronuncio a palavra Futuro
a primeira sílaba já pertence ao passado.

Quando pronuncio a palavra Silêncio,
destruo-o.

Quando pronuncio a palavra Nada,
crio algo que não cabe em nenhum não-ser.

(Tradução de Elzbieta Milewska e Sérgio das Neves)


Não gostou?
Acho que ela não vai se importar muito, considerando que recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1996.

2 comentários:

  1. Gostei! Muito bonita! Beijos da irmã.

    ResponderExcluir
  2. "Na verdade 'nada' é uma palavra esperando tradução.
    Toda vez que falta luz,
    Toda vez que algo nos falta
    O invisível nos salta aos olhos"

    Quem gosta de música sabe do que estou falando.
    Bosco

    ResponderExcluir

Muito obrigado pelo comentário!